terça-feira, junho 26, 2007

Olho vivo...

Imagem com a cortesia Portugal dos Pequeninos

Mike Davis, na sua obra “City of Quartz- excavating the future in L.A”(vencedor em 1990 do American Social Science Association Best Book Award), alerta para algo, que se poderá definir como “cidades fortaleza”. De facto, no capítulo 4, encontramos o tema título “Fortress L.A”. Este transporta-nos para um mundo de paranóia da (in)segurança, muito anterior à paranóia do terrorismo, em nome do qual se estrangulam os direitos e liberdades dos indivíduos (principalmente dos menos protegidos). Davis fala-nos da destruição do espaço público, não apenas a destruição física, mas a “morte” da ideia de um espaço comum, de todos e para todos. Este espaço é “requalificado” e estratificado, segundo uma ordem social, ou mesmo racial. Existe, por outro lado, uma centralização de comunicações, com apropriação do espaço, uma mão (e um olho) invisível, uma Haussmanização da cidade. Helicópteros no céu e uma câmara em cada edifício!

No filme Alice, de Marco Martins, um pai procura incansavelmente a sua filha desaparecida, dispondo câmaras por toda a cidade. Procura-a também nas fitas disponibilizadas por amigos, nas denominadas câmaras legais: do metro, por exemplo. Isto leva-nos a uma legítima interrogação: quem controla a privacidade dos dados? Pode-se facilmente aceder a estes? São destruídos, guardados?
As câmaras são já um lugar comum, nas estradas, espaços comerciais. Nos espaços públicos? Sabemos da existência destas em casas de banho, na net, no vizinho do lado…por todo o lado.

Esta semana, soube-se que, uma manifestação de militares terá sido “filmada” pelo ministério da defesa (ou por outros militares?). Medo das multidões, ou, todos podemos ser filmados, como interroga Francisco José Viegas? Soubemos também que na manifestação recente de cidadãos do Porto, na reabertura do Rivoli (não se trata aqui de quem tem ou não razão relativamente à privatização do teatro), o director do JN, foi filmado e aparece depois no site da Câmara Municipal. Podem ver site aqui. E Vídeo aqui. Tudo muito natural?...

O blog zero de conduta oferece-nos vários casos e “coincidências” do tamanho do mundo. Sabia da existência de um top de street-view sightings? Mais AQUI.
Hoje mesmo, a Câmara de Lisboa :admite ligar radares sem parecer da comissão de protecção de dados. (Público)

Quando o muro de Berlim caiu, o Ocidente “descobriu” consternado(?) que a polícia política da ex RDA (STASI) espiava os cidadãos ao ponto de gravar as suas relações sexuais.

Chamem-lhe o que quiserem. George Orwell nem imaginava…

2 comentários:

BlogMinho disse...

Caríssim@ blogger:

As inscrições para o Jantar do 1.º EBLBM ainda estão abertas e serão adiadas por mais um dia, ou seja, até Quinta 28 de Junho. Podem fazê-la apenas através do e-mail blogminho@gmail.com. Para a Tertúlia não é necessária marcação prévia.

Quinta 28, ao início da tarde, será disponibilizada a lista definitiva para o Jantar Convívio no BlogMinho, para que caso exista algum erro ou alguma falta possa ser corrigido até as 24h deste mesmo dia.

Para quem não conhece Guimarães improvisamos um MAPA, com referências suficientes para chegar ao Cybercentro de Guimarães, o local do início do encontro. Mesmo assim, quem não tem a certeza que consegue chegar ao local sem se perder, envie um e-mail a pedir um contacto telefónico para que no dia possa ser auxiliado.

Pede-se também o apoio de todos os bloggers do Minho para que divulguem estas informações de modo a que os leitores também possam participar.

Atenciosamente,
BlogMinho.

Rogeriomad disse...

De facto é um abuso...

Ainda agora estava para me inscrever numa newsletter do teatro municipal... e o texto em letras pequeninas dizia: "Os dados são tratados em rede aberta, por isso os seus dados pessoais podem circular sem condições de segurança, correndo o risco de serem vistos e utilizados por terceiros não autorizados."

Antes apenas dizia, por exemplo: "Os dados não serão fornecidos a terceiros."

É fabuloso...
Este "olho vivo" nunca terá falta de vista...