sábado, junho 16, 2007

"A Cidade na História", de Lewis Mumford

Clique para aumentar

Saído da pena de Lewis Mumford. Mais que um livro, um mundo! Obra épica, de vida toda, construída à força de muito viajar, ouvir, observar e ler. Começa lá muito atrás, na penumbra da memória: “A cidade dos mortos antecede a cidade dos vivos”. Podemos expressar, na esteira do autor, que a inicio, a cidade era simbolicamente um mundo, hoje o mundo é uma cidade.

A páginas tantas, encontramos o nosso colega Heródoto, também ele incansável viajante, geógrafo e historiador, que apenas escreveu uma obra (de toda uma vida), “Histórias” em nove livros, e que assim nos desvenda Babilónia em primeira-mão:
A cidade ergue-se numa ampla planície e é um quadrado exacto, com cento e vinte braças de cada lado, de sorte que a cidade inteira tem quatrocentas e oitenta braças [de perímetro]. Ao passo que tal é o seu tamanho eu não há outra cidade que dela se aproxime(…). No circuito da muralha, encontram-se cem portões, todos de cobre com vigotes de bronze e moirões laterais (…)A cidade é dividida em duas porções, pelo rio que passa pelo seu meio. Esse rio é o Eufrates, uma corrente larga, profunda, que se inicia na Arménia e vai cair no mar Vermelho.

Um livro para se ir lendo com fôlego (cerca de 700 páginas), consultando, analisando, poisando e voltando sempre. Afinal, não é fácil abraçar um mundo todo de uma só vez…

Lewis Mumford
“A Cidade na História - suas origens, transformações e perspectivas”

Tradução de Neil R. da Siva
Martis Fontes Editora, São Paulo, 1998

Conheço também a versão Inglesa. Tradução em Português só conheço esta versão, a Brasileira.

Sem comentários: