terça-feira, junho 05, 2007

CSI OTA: Eu e o Outro

Confesso que só comecei a ver o Prós e Contras de ontem, após a série que passa na RTP2, sobre uma cidade que foi um império: ROMA
O princípio deste programa (prós e contras) é o mesmo de um reality show. A mesma vertigem televisiva. Ontem, de um lado, um geógrafo e um economista (do mesmo quadrante), DO OUTRO (só assim faz sentido), um economista e um urbanista especialista em transportes. Na bancada central, os verdadeiros interessados, hoteleiros e turismo (e imobiliário, não vos parece?); atrás e na lateral, a malta do “bate palmas”.

Isto só funciona na quezília, na bordoada e no pontapé. Não esclarece porque divide, a e por, princípio. Se a coisa está perto de um consenso, isto é, morna, lá está o macaco Adriano a abrilhantar a festa. E este nem foi dos piores.
bOTA fora!

8 comentários:

Eduardo F. disse...

Até estava com algum interesse no... debate? confronto?

Bem, mas os debates incitam ao raciocínio, e eu -peço desculpa pela sensibilidade - a partir do momento em que começo a ouvir muito barulho, começo a pensar que se trata de mais um qualquer telejornal, pelo que desligo a televisão.

O debate está perdido!
E um aeroporto, estará ganho?

Vidal disse...

Exactamente! se não ouver "bordoada" o programa (para eles) não tem interesse. Nós, claro mudamos o canal ou desligamos. Ao 2º programa já tinha percebido a intenção show off. Debater? que estranhos nós somos!...
esclarecer? bOTA fora!

Vidal disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vidal disse...

Na realidade a zona envolvente da OTA , aeroporto, já está à venda. Sintomático. Está decidido. O resto é cosmética e, entretenimento...
Quanto ao programa, às horas que passa, enfim...
Que sabemos nós??

Rogeriomad disse...

Considero...
Que este debate foi muito mais esclarecedor que qualquer outro.
Mais digno que metade das tretas publicadas nos jornais.
Dos dois lados vi duas visões. Ambas lógicas... com sentido...
Falta comparar as duas para sabermos qual a melhor. De um lado temos uma localização exacta, do outro temos "várias localizações exactas" (quando se decidem? Poceirão, Faias, Alcochete... mais logo vão dizer que ideal seria construir no meio do Tejo, numa plataforma flutuante! Para promover os helitaxis) ahah

Mas do que mais gostei foi o debate todo a falar de ordenamento do território, modelo territorial, competitividade para depois no final levantar-se um senhor piloto reformado dizer que a Ota não tem segurança... Conclusão. Sem EIA e sem estudos de controlo/segurança do tráfego aéreo não há nada para ninguém!

Como disse o senhor: "Se vamos construir um aeroporto de raiz temos de construir uma coisa com funcionalidade e respeitando todos os parâmetros mínimos de segurança.

Do lado pró Ota disseram coisa do género: realmente a Ota a esse nível tem algumas falhas.

A este nível não se pode ter falhas...

Que o debate continue...


Roma é grande série...
pena nunca conseguir ver...

Vidal disse...

eu disse: "este nem foi dos piores"..
Mas...Repito, o formato é sensacionalista e, normalmente pouco ou nada esclarecedor. Passa a horas pouco próprias e vive do "folhetim".
Prefiro ROMA!!!

Rogeriomad disse...

Tu disseste, mas eu não tinha dito ainda...
Estou de acordo contigo...

Não vamos querer que um programa de TV seja o responsável da escolha da nova localização do aeroporto...
Estes programas já muito têm dado... Imaginem se não passassem nada na TV sobre a Ota... "metade" da população portuguesa nem sabia do que se passava (e continua a não saber), porque "ninguém" lê jornais e nem querem saber de política...
Na paragem do autocarro estavam dois senhores a falar da ota:
-"É Ota ou ETA?"
responde o outro:
"Eu sempre ouvi dizer que é ETA"

O formato para mim não é sensacionalista, mas muito ao estilo dos debates do parlamento: Um manda tiros pró alto, a bancada responde com palmas e risotas. O outro contrapõe, a sua bancada faz uhhhh (tipo adeptos do futebol inglês). Já estamos habituados a este tipo de debates, sejam na academia, na parlamento, nos congressos... na TV não vai ser diferente!!! E na TV ainda é pior, porque estamos a ser vistos por milhões de espectadores, por isso convém "mandar o outro abaixo" para ficarmos bem vistos juntos da nossa "família"... mesmo estando a dizer a maior das bacoradas, o importante é falar bem e responder de pronto sem gaguejar...

O programa prolonga-se para horas pouco próprias... mas até começa por volta das 22h00-22h30.

Que o debate se esgote apenas quando houver consenso mais alargado... a decisão compete ao Governo (que governa em maioria, não sei porquê!?) e não de "pintainhos que gostavam de estar no poleiro a cantar de galo"...

Deixar de guerrinhas entre escolas/universidades, de interesses mesquinhos, de contra-politica sem sentido...
Todos temos opinião sobre o assunto, mas há momentos na vida que devemos estar atentos, mas calados...

Dar a opinião quando necessário ou quando pedida. O que vejo são muitos cronistas que têm o "poder/hipotese" de publicar algo num jornal nacional e que têm sempre opinião sobre tudo, mas no fundo não deviam usar a cabeça (quando usada, claro) e as mãos para escrever...

Eu, por exemplo, podia escrever sobre uma nova localização do aeroporto. Se tivesse influência na comunicação social, podia difundir a minha visão técnica sobre o assunto. Para além das hipoteses a Norte ou a Sul do Tejo, defendo uma localização no Centro do Tejo. Tal como já disse, se construíssemos uma plataforma flutuante no rio, iríamos promover o negócio dos helitaxis...
Outra visão (não me digam que não é credível. O que sabem vocês? Tanto como eu, se calhar...) para entrar ao barulho, mas como se diz em bom português:

"Cada um puxa a sua brasa à sua sardinha..."

E afirmo:
Aeroporto é visto como peixe graúdo, vamos todos tentar pescá-lo e vendê-lo como peixeiros...

Vidal disse...

Realmente importante (o que me motivou), foi o lançamento do debate, aqui no GEORDEN, sobre a OTA (não foi fácil, diga-se!), debate esse, que não se vislumbrava na sociedade portuguesa. Queria (ainda quero) ser esclarecido. Não estou satisfeito. Ponto final.

Relativamente ao resto, cada um vê aquilo que quer! Ao circo (na generalidade, pois existem excepções) televisivo, prefiro o outro, o verdadeiro com palhaços e acrobatas, hoje em desuso (prescreveu?).
Quanto ao programa, a comparação com os debates da assembleia da república e debates político/partidários em geral, é sintomática: Está tudo dito! Eh..eh
abraço