quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Meus amigos, pequenas coisas que vão passando à margem


Um sismo de intensidade 6,1 na escala de Richter abalou hoje a região de Vanuatu, no Pacífico Sul, sem que as autoridades tenham informado sobre a existência de vítimas ou danos materiais, ou emitido alerta de tsunami.
A República do Vanuatu está localizada no chamado "Anel de Fogo do Pacífico", registando abalos sísmicos com frequência.
(Ler mais AQUI)

Ministros europeus aprovam fim das rejeições de peixes no mar. Mas há excepções [e algumas omissões pelo meio]
(Ler mais AQUI)

À estratégia de mercadorização do mar corresponde a apoteose do desperdício mais insano. Esta verdadeira infâmia ocorre há vários anos. Recordo-me de assistir na RTP2 em 2012 a um documentário bem elucidativo a este respeito, denominado "Hugh's fish fight", vertido para português "Hugh e a causa das pescas". 

Deixo aqui um vídeo promocional.




terça-feira, fevereiro 26, 2013

São bons hipoteticamente, ou lá fora, mas aqui, ou quando se vai a aplicar a sua bondade, dá nisto


O Grupo IKEA, após ter promovido a construção das suas fábricas de móveis em Paços de Ferreira, numa área que estava integrada na Reserva Ecológica Nacional, e também após o abate de sobreiros no terreno previsto para a loja em Coimbra, pretende agora construir uma nova área comercial em solos da Reserva Agrícola Nacional (RAN), no concelho de Loulé, revelando uma enorme falta de responsabilidade ambiental.

A Quercus teve conhecimento que a IKEA Portugal pretende construir uma nova área comercial no Algarve, tendo a empresa imobiliária (IMO 224 – Investimentos Imobiliários SA.) promovido a compra de terrenos em solos da Reserva Agrícola Nacional, no sítio de Alfarrobeira, em Loulé, próximo da A 22 - Via do Infante.

Plano de Urbanização Caliços – Esteval elaborado para viabilizar IKEA

Para viabilizar a construção deste novo centro comercial da IKEA, o Município de Loulé elaborou um "Contrato para Planeamento" com a IKEA Portugal e a INTER IKEA, que visa elaborar os estudos e acções, com a finalidade da aprovação do Plano de Urbanização Caliços – Esteval. Este Plano incide numa área com 355 ha, mas em que 12 ha estão condicionados devido aos solos da Reserva Agrícola Nacional, estando prevista a sua aprovação nesta sexta-feira pela Assembleia Municipal de Loulé, sem que tivesse sido avaliada uma alternativa de localização para este Centro Comercial do IKEA.

A exclusão de solos inseridos na RAN traduz-se na reclassificação de solo rural para solo urbano, mas apenas com carácter de excepcionalidade. No entanto, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve concordou com o proposto Plano de Urbanização. Para além da DRAP do Algarve, nunca a CCDR do Algarve deveria ter viabilizado este Plano de Urbanização sem que tivessem sido estudadas alternativas de localização para o Centro Comercial do IKEA, uma vez que esta expansão urbanística não estava prevista no Plano Director Municipal de Loulé.

Verifica-se uma vez mais a subversão total dos princípios de planeamento e de um correcto Ordenamento do Território, no sentido da contenção da expansão urbana e da concomitante preservação dos solos agrícolas e do património natural. Com efeito, o País continua a perder os melhores solos agrícolas, boa parte das vezes apenas e só devido à especulação imobiliária.

Basta ver o recente exemplo do Município de Oeiras, cujo Presidente viu recusada (pela CCDR) a sua pretensão de transformar todo o solo do Município em solo urbano, no âmbito da revisão em curso do respectivo PDM, deste modo sacrificando solos de elevada capacidade agrícola ainda existentes naquele Concelho.

A Quercus deixa claro que, apesar de considerar o investimento do Grupo IKEA importante para a região, entende que a localização deveria ser escolhida evitando as áreas da RAN ou outras condicionantes previstas nos instrumentos de ordenamento do território. A Quercus lamenta que o Grupo IKEA insista na construção de empreendimentos em áreas ecologicamente sensíveis e condicionadas, quando existem alternativas que deveriam ser ponderadas na seleção de locais para investimento.

Lisboa, 7 de Fevereiro de 2013

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

A Polícia, a Répública e os Marginais

As sociedades que se organizam em Estados criaram essa instituição repressiva que é a Polícia. Força coerciva, mesmo que não exerça violência física, que, pela sua simples presença ou existência, é um ante-garante da ordem pública.
E aqui reside a primeira contradição em que se vê enredada a Polícia, batata quente a mudar mãos que, ao contrário da expressão, precisam desesperadamente é de ter as mãos bem quentes. Como as costas, aliás.
Mas não de levar nos costados.

A Polícia deve defender a Pólis, pois foi originariamente nesses fundamentos que foi criada. O Ágora das nossas cidades, a janela que dá para o nosso estádio de evolução democrática, não é já o centro da vida organizativa e para a qual todas as ruas devem ir ter.
A discussão, a valorização e a contemplação agórica padecem agora, paradoxalmente, de claustrofobia. Ora, a doença consiste em elas não quererem, ou não poderem, sair dos claustros para onde têm sido empurradas.
Pela Polícia.

A rés pública mudou de cor, um pouco ao jeito da vaca milka. Ela, que nos vendem sempre ser incolor, no sentido de imparcial, vai sendo conspurcada pelos que lhe vão secando as tetas.

No meio de tanto chocolate quente, sugado àqueles que o produzindo não o bebem, nos vamos esquecendo que a transparência que é própria da senhora cega da República, a Justiça, não é NEM PODE SER imparcial.
Pois que em Democracia, os valores que contra ela atentem não podem ser alvo de aprovação. E como o cão expulsa a carraça, também a República devia expulsar aqueles que a sugam até ao tutano (dizem que o tutano é o supra-sumo da política económica capitalista...).
Sem piedade devia fazê-lo.
Nós somos as vacas, e eis as nossas tetas para vos servir.

E então deparamo-nos com outra contradição essencial da Pólis: os Marginais.

Os marginais são aqueles que estão sempre à margem. Da lei ou na Praça.
O paroxismo consiste, como já reparámos, em termos os marginais a ocupar - e não saem de cima nem deixam para lá ir outros - o espaço central da Democracia. 

São eles que legislam e governam os outros para si próprios.
E fazem-se representar pela polícia. E pelas polícias que nos policiam a vida.

Invadem as praças sob a forma de empresas e bancos, que - lá vêm os fundamentalistas - tapam a vista aos monumentos há muito plantados nas suas pontas ou nos seus centros estratégicos. Descaracterizam a cidade, levando o olhar a obstacularizar-se com o que até então era essencial - o monumento e os valores que ele materializa - e a obnibular-se com os valores que representam a visão do particular e do não-sustentável colectivo.

As praças levam, por vezes, o nome de estátuas que levam ao meio. Por exemplo, a Praça Camões, em Lisboa.
Perdida a memória, as metáforas, a narrativa, a poesia, e os eventos dos Lusíadas e da sua lírica na Escola (outro termo grego indissociado da Pólis, onde devem ser transmitidos e defendidos os valores da coisa pública), será uma consequência lógica (outro mais, da filosofia clássica) erigirmos estátuas em forma de shoppings (vejam que a linguagem do poder até muda de idioma, impregnada que vem dele e das suas sedes) ou de prédios de escritórios.


O Pensador, estátua da nossa Democracia


Cá em Braga, temos na Praça Conde de Agrolongo, mais conhecida como Campo da Vinha, anterior local das trocas de bens do e pelo povo, um Instituto Wall Street, que o Inglês é, como já disse acima, o símbolo metafísico do exercício do poder. Portanto, na organização mental e social que visa o fim económico.
Por baixo temos, actualmente, uma Maria Bolacha, pastelaria-café que nos traduz um convívio que migrou para espaços privados e espaços de consumo. E, Maria Bolacha, bolacha Maria, consumo de bens perfeitamente acessórios, ou, por outras palavras, marginais.

Muito nos queixámos e agora menos nos queixamos do mamaraxo que o edifício representa para quem, do cimo da praça, quer ver a igreja onde funciona a Câmara. Mas, elo perdido, facto consumado, cada vez nos queixamos menos. Uma das formas de nos queixarmos menos é frequentarmos e alimentarmos essas empresas.

Isto traduz, ipsis verbis, a marginalização de nós mesmos. 
Somos as vacas loucas, alimentadas a farelo de engorda nas ZPI, zonas de produção industrial, mediatizadas e alienantes como alienados estão a escola e o ensino dos valores colectivos.
Nós, que nos julgamos os arautos da coisa pública e da defesa dos valores democráticos, estamos sempre a ceder, face à gula e às sacaroses ("vive rápido, morre novo!"), aos interesses dos privados.

Assemelhamo-nos ao visionário, agora transformados em loucos, se anti-marginais houvesse para nos julgar, do Cinema Paraíso, gritando já quase só para si:

- Esta praça é minha, esta praça é minha!...

Enquanto com sacos de plástico na mão vai tentando achar o seu caminho por entre os carros que a preenchem.

Ou seja, amputámos os santos para nos devotarmos com os ex-votos.

E a consequência desta mutação de valores públicos em valores privados será a mesma a aplaudir a substituição da estátua de Camões por uma estátua de Relvas, esse pingue, palerma, pacóvio, parvo, estúpido, cínico, parassimpático,  privado, palonço, mentecapto sujeito, cuja cantoria agora me conspurcará a alma de cada vez que me lembrar da palavra fraternidade.

O assassínio da Grândola, na efeméride da morte do seu cantor.

Relvas não cai, não: Relvas não sai, porque é uma nódoa, porque na nossa democracia só dispomos de água suja.

Não fomos nós que o escolhemos.
Não fomos nós que o elegemos.
(a representatividade em questão)

Mas padecemos da falta de dignidade e é esse vazio de que dispomos para abater os que nada têm que ver com Democracia, nem com Liberdade de expressão.
É muito pouco.
Despojados, é quase nada.
E sofremos.

Relvas representa-nos, pois é a imagem do poder da corrupção, do cinismo, do metedismo e do que quer sempre ver como sacar mais uns dinheirinhos nas negociatas, não importa quais, fazes só aquilo para que foste madatado. Pago.

A questão da representatividade é a estátua ou o monumento que decidimos pôr no dia-praça em que temos de passar para viver.
Relvas e seus acólitos que se queixam da falta de liberdade de expressão, os garantes da democracia podre e cínica.
Relvas, a polícia que temos.

Volta, Zé Cabra. 
O vento está de feição e sopra enrolando os tufos de porcaria que rebolam como relva seca pelo alcatrão que nos tapou os poros da decência.

Para o abismo, s.f.f. (sem fazerem favor)

O carpe diem de alguns aborta o carpe diem de outros (mais uma definição de insustentabilidade)

Apesar do novo regime de arborização e rearborização, promovido pela ex-Autoridade Florestal Nacional, no mês de maio de 2012, ter sido alvo de fortes críticas por parte das fileiras florestais - que não a do eucalipto -, das Associações de Defesa do Ambiente e de milhares de cidadãos que assinaram duas petições contra a nova legislação, tudo leva a crer que o Conselho de Ministros se prepara para aprovar uma proposta que continua a ir no sentido de permitir novas plantações de eucaliptal sem qualquer regulamentação, sobretudo no Norte e Centro do País.



Por isso, como disse a ministra-eucaliptal Assunção Cristas, "o eucalipto cresce um bocadinho".

E andamos a basear o nosso desenvolvimento, insustentável, 

não é que quando a esmola é grande o pobre desconfia?

Então, os lucros rápidos não são de desconfiar?
Não paramos para pensar que este lucro dos eucaliptos está a pôr em causa o futuro de País enquanto lugar para viver?


Sim, a afirmação é grave.
Meditemos nela.
Continuem, por outra, a apelidar de profetas da desgraça ou de não-credíveis, aqueles que assim denunciam esta prática e forma de vivermos.

As consequências são conhecidas e mais que estudadas.
É só uma questão de tempo.

A longo prazo estarás morto, dizem uns.
A breve prazo não haverá longo prazo, dizemos nós.

domingo, fevereiro 24, 2013

A ofensiva é global e os efeitos, locais, somados, são-no também.

1


ProSavana from GRAIN

O governo brasileiro e o sector privado estão a colaborar com o Japão para promover um projecto de agronegócio em grande escala no norte de Moçambique. Denominado ProSavana, o projecto poderá disponibilizar 14 milhões de hectares de terra para empresas brasileiras do agronegócio para a produção de soja, milho e outras culturas de rendimento que serão exportadas pelas empresas transnacionais japonesas. A área de Moçambique, conhecida como Corredor de Nacala, é uma região onde moram milhões de famílias camponesas que correm o perigo de perder as suas terras neste processo.


2

Sete helicópteros, forças militares, policiais e de segurança, estimadas em mais de 500 efectivos, tomaram parte numa operação de demolições do bairro residencial Mayombe, no município de Cacuaco, em Luanda, a 1 de Fevereiro passado.
De acordo com os relatos dos moradores, o dispositivo militar e policial destacado no local de madrugada surpreendeu e causou pânico às populações locais. “Por volta das 5h00 da manhã, os bulldozers começaram o seu trabalho de desalojamento de mais de 5,000 pessoas”, afirmou Mateus Virgílio Mukito, um dos moradores.
Por sua vez, Pedro Sebastião, outro desalojado, disse ao Maka Angola que duas crianças morreram no acto.

Ler notícia completa, via MAKA


Na China e no Brasil dos Jogos Olímpicos a cena repete-se.
São só uma amostra dos bem-olhados e bem-aplaudidos países "em crescimento", exemplo a seguir pelos que agora os vêem passar à sua frente.



Em termos de massificação:

a) O turista é aquele que vai consumir coisas nos sítios onde não habita.
b) O consumidor é o que faz as coisas dos sítios onde não habita fazerem turismo por ele.


Os turistas são a força motriz da destruição, pois o seu consumo é o aval para que continuemos a aplicar estas estratégias.
Os turistas são uma só face dum mundo onde as maiores empresas, para o manterem mais bem enredado, baralham as forças e zonas de produção e consumo para criarem relações de dependência por elas controladas e por elas espremidas sob a forma de petrodólares e outros nauseabundos líquidos.

O turismo massificado vai lá aprovar a obra visível, apenas.
Digo massificado pois é esse o que é suficiente para suportar as grandes maquias. As grandes massas, já agora.
O turismo-crime muito bem organizado e planeado por não sei quantos agentes e intermediários.
Para que nada escape e o dinheirinho seja certo.

E se pensamos que só lá para os países que os ricos subjugamos é que se cometem atrocidades - o velho, permanente e muito escamoteado e ocultado direito à terra - pensemos nas demolições dos bairros das zonas do Porto ou da grande Lisboa, para os quais já tivemos oportunidade de chamar à atenção, ou, nos países ditos desenvolvidos ou democráticos mais a norte, a França, no caso, que recorrem aos mesmos métodos repressivos da polícia e do exército numa intimidação encapotada típica das ditaduras militares em que os dois blocos caquécticos e assassinos foram pródigos desde o século passado. 

Tudo para "varrer" manifestantes que ocupam terrenos cobiçados não pela polícia, nem pelo Exército, nem pelo Estado, mas pelas empresas que mandam nestas três instituições. 
Em nome da Democracia, ou, se quisermos, do desenvolvimento económico, para construir novos aeroportos, para destruir quintas invocando o que for preciso ou para novas linhas de TGV.

Menos espaço para todos.
Mais dinheiro para alguns.

As pessoas são, tal como por cá, algo que não existe.
Só existem para ter fome e ser carne pra canhão.
Bem apontada prò coração do mundo.

sábado, fevereiro 23, 2013

Programa de Emissões da UE ameaçado com descida dos preços*

O esforço europeu para limitar os gases com efeitos de estufa vê-se ameaçado de morte devido ao preço das emissões ter descido drasticamente, enfraquecendo assim o incentivo para as indústrias poluírem menos e forçando as políticas a sopesarem as prioridades ambientais face aos objectivos económicos.

Com o custo das emissões de CO2 por volta de 5€ por tonelada - um terço do que era há 18 meses - fornecedoras de energia na República Checa, na Alemanha e na Polónia reconsideram recorrer a fontes de carvão.

Na terça [19.Fev.2012], a Comissão Ambiental do Parlamento Europeu votará uma proposta para a União Europeia adiar a possibilidade de emitir 900 milhões toneladas pelos mercados durante cinco anos, no intuito de impedir que o preço das mesmas caia ou até para que ele suba.

O abrandamento do mercado - conhecido como Comércio Internacional de Emissões, cujos programas criam custos ou benefícios para quem, respectivamente, polui mais ou menos - está a ser posto em causa como meio de diminuir o aquecimento global e de encorajar o desenvolvimento de alternativas às energias fósseis.

Tornar mais caro poluir por fazer com que as empresas adquiram direitos de emissão é uma estratégia fundamental para a UE reduzir em 20% os valores para 2020, levando-os aos níveis a que estavam em 1990. Mas tal seria um presente envenenado para a competitividade das economias.

Esta questão tornou-se no pomo da discórdia entre os que estão mais preocupados com o crescimento e os defensores de que a UE não deve perder de vista os objectivos ambientais de longo prazo.

"Há uma disparidade entre as prioridades económicas e os desafios que a Europa está a enfrentar para atingir reduções mais agressivas, disse Divya Reddy, analista de Washington para as questões climáticas do Eurasia Group



* Tradução de E. Soja.

A notícia, do Wall Street Journal de Segunda-feira, 18.Fev.2012, prossegue numa outra página, com análises e comentários e a famigerada-obrigatória referência à crise (crise de quem? para quem?) económica, dos "mercados", etc. e tal.

Trata-se de finanças, de compras e de vendas, de botões e de flippers a tilintar na bolinha a dançar sobre as nossas cabeças. 
E não só nossas.

Não sei se foi notícia nas nossas tvs-wcs.
Mas também não interessa.
Já nada parece interessar.

Vamos cantando e rindo.
Alegremente.

Papados, papados, sim.

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Psicogeografia

... E íamos nós pelos ares quando alguém que vinha em sentido contrário, nos disse:

- Não estais a perceber absolutamente nada.
Por isso, vou resumir-vos o que é que se está a passar.

Vós vedes os textos à vossa volta, mas todos os caracteres vos são ilegíveis. Por exemplo, este texto que agora está aqui, se for demasiado longo, de determinado ponto os vossos olhos não passarão. O excesso de texto cansa por antecedência, mesmo sem vos perguntardes ou vos deterdes nisso. E é precisamente por esse motivo que agora se impõe uma pausa. Pode ser bem sucedida através de um parágrafo, 

Assim.


Ou através de algum espaçamento entre as linhas.

Ah, deixem-me falar-vos duma boa piada. É que eles, lá nas universidades, fazem aquilo com tanto espaçamento, entre as linhas e entre as letras, que cada calhamaço até impressiona o próprio pacóvio que escreve (ou copia) os trabalhos. De modo que ele diz para si mesmo "Eh, pá, isto e tal...", não interessa agora estar a precisar.

Há também aquela táctica que é a da rendição, ou se o "texto" (sim, entre aspas) a comunicar assim o requer, à imagem, antepondo infalivelmente a máxima de que "uma imagem vale mais que mil palavras. Por extenso ou em numeral. Assim: 1 Imagem Vale + que 1000 Palavras. Fica catita e tal e cumpre-se mais uma banalidade e todos gostamos delas, não foi assim que te ensinaram para estares bem integrado na sociedade?

Portanto, recorremos aqui ao nosso amigo Raimundo Quintal, cujas mui ilustrativas fotos reproduzimos - cremos que não se importará que o façamos. Com o título "Pouco aprenderam com a dolorosa lição da natureza" (pôr frases a negrito, mesmo que não estejam à cabeceira dos textos, é também um truque muito usado nos meios habituais). As legendas são do geógrafo madeirense:

 Ribeira da Madalena - foz demasiado estreita , assoreada e incapaz de dar vazão ao caudal lamacento numa próxima cheia repentina - 02.02.13
 O estaleiro da AFA continua a crescer na Meia Légua. O canal de escoamento da Ribeira Brava continua estrangulado - 18.02.13
 Deslizamento na vertente oriental e obstrução do leito da Ribeira da Madalena, a jusante da estrada regional -02.02.13
 O estaleiro da AFA continua a crescer na Meia Légua. O canal de escoamento da Ribeira Brava continua estrangulado - 18.02.13
 A vertente oriental da Ribeira de Santa Luzia no troço entre a Fundoa e os Viveiros é facilmente erodida sempre que o caudal cresce - 15.11.12
 Água de Pena - o promotor e o empreiteiro da nova estrada não repararam no ribeiro. Os serviços de hidráulica do governo regional ignoram o problema. Quando chover intensamente o mesmo empreiteiro ganhará dinheiro no desassoreamento.
 Ribeira de Santa Luzia  - troço entre a Fundoa e os Viveiros - os deslizamentos e os desabamentos de blocos rochosos reduzem a secção de vazão e poderão provocar a obstrução do canal sob a rotunda dos Viveiros.
Entretanto continuam as obras de desfiguração da Baía do Funchal com o argumento do aumento de segurança da cidade em futuras cheias repentinas - 18.02.13



Agora que prestamos um bom e notável serviço para alertar e informar as populações 

(atenção, isto pode soar a tom irónico, mas os gritos fundamentados de Raimundo Quintal são mais uma corrente contra os maré do conformismo e da estupidez no altar e a mandar nos ditos servos, e aqui, com estas imagens e divulgação, prestamos homenagem ao geógrafo e um favor à lucidez) (fazer ressalvas também é adequado nos textos compridos: pode também ajudar a quebrar a "seriedade" do "corpo", vulgo "aborrecimento")

para que quando a tragédia voltar a acontecer ("não é uma questão de "se", mas uma questão de "quando") (tal como estão as coisas, parece haver uns espertinhos que andam a pedi-las...) sabermos que há responsáveis a julgar e encarcerar. Porque se o assassinato é punível com pena de prisão, porque não hão-de estes casos, flagrantes, de cair fora desta alçada? Olhem, naquele caso lá do meteorito da Sibéria também as seguradoras lavaram as mãos: porque o seu trabalho é fazerem dinheiro - se tiverem que dispensar alguma soma da enorme maquia que vão juntando, então, declaram falência.

Mais uma pausa.

E mais um parágrafo a nadar no nada.

O problema para que andamos a alertar desde o começo deste texto é que a vida é um processo contínuo. Não tem intervalos. Isto, se não enveredarmos pela concepção - aliás, que subscrevo - de que cada filho que nasce é uma metamorfose mais da mesma vida (mas isso seria irmos por um caminho que não cabe agora aqui - esta é outra frase comum em teses académicas...). E se tudo é contínuo e a linguagem uma forma de organização do mundo, como apreendê-lo bem, correctamente?

Do que estamos a falar é do ruído em si. 
Dos gritos que damos no meio do vozear constante das grandes aglomerações urbanas, cada vez mais confundidas com aglomerações humanas.

Chegamos a casa cansados. Cansados do esforço físico que fizemos no trabalho cada vez mais exigente e esvaziante. Cansados do esforço da atenção requerida pelos assaltantes estímulos que se dirigem a nós como os vendedores de cartões de crédito.

Donde decorre que, a dada altura, demasiado fatigados, nos fechamos ao exterior e procuramos em nós, à nossa maneira, finalmente, o porto de abrigo mais que devido. Para mantermos a sanidade. 
Lermos um livro, escrevermos. Simplesmente ouvir música, olhando para dentro e escutando com atenção as notas e a poesia.

Deste processo de fechamento resulta a destruição da geografia. É uma frase nada inédita, cremo-lo, mas bem séria. Da abstracção forçada pelo controlo mediático e comunicativo (das coisas que, se reflectirmos, pouco nos interessam) vamos, lentamente, arrancando os papeis de parede que com tanto labor aprendemos a colar às coisas. Esse papel de parede, com a cola a deformá-lo (e à parede também) é o sentido de que as impregnamos.

Assim, no nosso cantinho, talvez ouvindo música pelos nossos "fones" (gosto desta palavra originariamente grega), ou alienados na teclagem do telemóvel, que nos faz já nem olhar à esquerda ou à direita (e isto é também uma metáfora) nas passadeiras que nos vão, de longe a longe, estendendo (com o prejuízo de sermos atropelados e mal-vistos pelos condutores apressados e obrigados à atenção que os peões parecem muito bem dispensar), vamos passando pelos espaços agora vazios.

O espaço não passará de um vácuo que teremos de preencher.
E se formos vazios só de vazio poderemos enchê-los.
E deles não rezará a história e a história não rezará por eles.


E tudo perde o sentido, pois que o sentido - tal como a direcção, numa seta - não passa de uma relação entre, pelo menos, dois pontos.
Se a nada nos relacionarmos, não saberemos, de vez, ler os vários e variegados textos que nos são apresentados.

Há ainda aquela nova forma de comunicar, parida da vertigem dos tempos ditos globalizados, não modernos pois é uma faceta mais do velho obscurantismo, que é a de que querer tudo abarcar (talvez para precisamente deixar tudo de fora mas com a sensação contrária), que é a de estabelecer hiperligações no "corpo" do texto. Por exemplo, aquela Ribeira Brava ali em cima fotografada tinha sido captada pelo Rogério pouco após o massacre de Fevereiro de há três anos.

Foto de Rogério Madeira, Ribeira Brava, 26.02.2010.

O excesso de informação será cada vez mais excesso e - como na internet - passaremos à frente das coisas que estão a gritar-nos para que as ouçamos, as leiamos, as pensemos.

Este é o fim da Geografia.
Porque a Geografia tem que ver com tudo.
Porque a Geografia nada voltará a dizer-te, então.


A parte da "psico" no título deste artigo tem que ver com a parte interactiva que tem de se estabelecer com o objecto por parte do sujeito.

Obrigado a quem conseguiu ler tudo isto.
Significa que ainda consegue ter capacidade de atenção e concentração, sem as quais nenhum raciocínio bem construído se consegue.

Que um homem que não pensa e não consegue organizar o seu pensamento não passa de animal inferior às suas expectativas.
Amén.

Hey, you blacklist, you blacklist, I've seen what you have done. 
I've seen the men you've ruined and the lives you've tried to run, 
But the one thing that I've found is, the only ones you spare 
Are those that do not have a brain, or those that do not care. 

sexta-feira, fevereiro 15, 2013

O atraso mental paga-se caro (II)

Não sei se viram a "menistra", a menor, a falar, na noite de segunda, no telejornal...


As reportagens sobre o tema do crescimento do eucalipto e respectivo comentário, do minuto 34:30 ao 41m40s.

e passamos a citar a hipocrisia, o atraso mental e a incompetência da senhora Assunção:


"O eucalipto cresce um bocadinho. [SIC]
Temos o declínio do pinheiro, essencialmente ao problema do nemátodo e ao problema dos incêndios...
(...)
Quando nós olhamos para a área arborizada de pinhais vemos que a fotografia não é assim tão má.
(...)
Temos oportunidade de no próximo programa de desenvolvimento rural e aproveitando esta lógica multi-fundos podermos encontrar instrumentos para apoiar a floresta, nomeadamente o pinheiro bravo e nomeadamente o sobreiro, que precisam de ser mais apoiados."


Com que então, apoiar o pobre do pinheiro bravo e - espante-se - o sobreiro!...
E com que então parece ser só o pinheiro que sofre com os incêndios...


Hipocrisia é mandar essas palavrinhas tecnocratas quando a praxis vai no sentido da desregulação, como o Vidal bem chamou à atenção aqui.

E vale a mesmo pena ouvir os comentários de Luís Alves, do jornal 24 Horas de terça, relativo ao dia 11.2.12.
Para quem não pode ver e ouvir, transcrevemos aqui (do minuto 38m19s ao 41m40s):



- Luís, ter mais eucaliptos o que é que pode significar. Falámos aqui do efeito dos incêndios, mas a Quercus diz que vamos ter uma mudança profunda na nossa floresta, com menos água.. por aí adiante.

- E eu concordo com tudo isso e acrescentaria algo mais. 
Aquilo de que se fala, com a nova legislação que o Governo pretende ver aprovada, até agora inédita na Europa, que será possível arborizar zonas com 5 ha ou rearborizar zonas até 10 hectares sem qualquer tipo de licença.
E vai mais longe: permite plantar zonas ardidas - a lei até agora obrigava a plantar com as mesmas espécies que lá estavam - e partir de agora, se esta lei for aprovada, pode-se plantar com qualquer espécie.

- As pessoas lá em casa estão a dizer "Mas eu não tenho nada a ver com isso!". Será?

- Tem, tem, porque a floresta portuguesa produz um conjunto de bens que são do usufruto de todos nós. As pessoas pensam que a floresta funciona só como um rendimento a curto prazo - no caso do eucalipto, em que as pessoas podem retirar rendimento em oito ou dez anos - mas esquecem-se que a longo prazo... eu não sei se as pessoas têm andado a ver a paisagem portuguesa -  ver um eucaliptal em fim de vida é absolutamente assustador, é paisagem lunar.

- É uma paisagem lunar porquê? Porque consome toda a água e seca tudo o que está à volta? É mesmo verdade essa imagem?

- É mesmo verdade. Quem for para a paisagem - não é muito difícil encontrar um destes eucaliptais - nós temos a maior mancha contínua de eucalipto da Europa e somos uma maiores do mundo, somos a quinta maior mancha a nível mundial...

- Isso quer dizer que aquele passeio que nós temos, até dentro duma cidade, debaixo dum pinhal ou doutro tipo de árvores, pode desaparecer?

- Completamente! Repara: é completamente anti-biodiversidade, é muito difícil encontrar seja que espécie for a conviver com um eucaliptal.
Mas eu iria até mais longe. Eu, enquanto jovem agricultor que, por exemplo, ando à procura de terra, vejo com estas medidas ainda mais limitante a opção de encontrar terra disponível. Os optimistas da medida dizem que isto pode promover o emprego e o regresso ao mundo rural, mas eu não estou a ver as pessoas à espera oito a dez anos a ver as árvores...

- Mas pode ter um efeito positivo: produz lucro rápido!

- Pois promove um lucro rápido: fala-se de quatro mil euros por hectare, mas por exemplo não se fala dos custos associados à reconversão do eucaliptal e esses são da responsabilidade do proprietário e podem superar os 750 mil euros por hectare, com a mobilização de máquinas pesadas.
Não se fala, por exemplo, que é absolutamente impossível recuperar um solo a curto prazo...

- Não se fala do que pode acontecer no Verão, com os incêndios: os incêndios dos eucaliptais são coisas dantescas.

- Ó João, eu até arriscaria aqui a fazer futurismo: eu vou fazer futurismo para o Verão de 2013:

Neste Verão nós vamos ter o país a arder, vamos ter pessoas a morrer, vamos ter [gastos de] milhões de euros em meios de combate a incêndios, que nós, contribuintes, pagamos; vamos ter jovens que, como eu, andam à espera do banco de terras, que já foi prometido pelo Governo [*], mas que não têm terras disponíveis porque provavelmente elas vão ocupadas por vinte anos, em contratos que vão servir só alguns, mas não vão servir os propósitos da agricultura portuguesa. 
Portanto, eu espero, para bem de todos nós, que estas medidas não vão de facto avante.


* A proposta do banco de terras, prometida pelo Governo, foi primeiramente feita pelo Bloco de Esquerda. Ao que as bancadas da maioria votaram contra.

quinta-feira, fevereiro 14, 2013

O atraso mental paga-se caro (I)

Na União Europeia, apenas 8 países (dos 27) produzem OGM's com fins comerciais. No entanto, o cultivo desceu desde 2009, excepto em Espanha e em Portugal, que conheceram este ano um ligeiro aumento. 

Em Espanha e Portugal, as plantações de milho geneticamente modificado cresceram ligeiramente entre 2010 e 2011. Estes dois países são responsáveis por mais de 90% dos OGMs produzidos na União Europeia.


Continuar a ler a notícia (de 23 de Setembro passado e em Inglês) aqui.



Agora peguemos, por exemplo, no artigo de ante-ontem.

A dominação, se assume várias faces é porque precisa de nos enganar. E  isso é um sintoma de que ela continua.
Os interesses há muito que estão instalados onde podem sacar umas maquias a chupar as ovelhas do mundo inteiro.


"Jazem num fosso,
vítimas dum credo.
E não se esgota
o sangue da manada."

(Esta é a passagem fulcral da canção do Zeca.
Pois que todas as manipulações, se requerem de manipulador, só funcionam com o assentimento do, portanto, manipulado.)


A propaganda comercial e as ameaças à sobrevivência, tal como empurram as comunidades mais pobres para a morte na guerra, alistando-se, voluntariamente (ahah) no exército, levam os nossos agricultores a fazer contas à vida.

Contas à vida mas só até certo ponto. 

Pois quando os promotores dos OGM's promovem uma "variedade" (ahah) nunca falam dos efeitos secundários, que devem ser secundários precisamente por não serem os objectivos principais.  E principais de quem vende o produto, claro está.

Entre esses efeitos secundários está o gastar mais que o dinheiro que dizem poupar com as maleitas e a rodinha do consumo das sementes.
E entre esses efeitos secundários - coisa pouca que não parece interessar pevide ao agricultor, mas não tanto ao agente das multinacionais do ramo alimentar (o objectivo é destruir tudo o que não possa ser comercializado única e exclusivamente por eles) - está a contaminação e o decréscimo da biodiversidade .

E se duvidamos que se trata de propaganda = mentiras manipuladoras basta lembrar-nos de que, quando alguém defende e tenta comprovar algo que vai contra, logo os verdugos movem mundos e fundos, policiais até, para capturar esse herege. Seralini, de seu nome.


Como canta o Brassens,

Non, les braves gens n'aiment pas que
l'on suive une autre route qu'eux.


Pero a la gente no gusta que
uno tenga su propia fé.


Mas os outros não gostam qu'eu
siga um caminho sem ser o seu.


Voltaremos a parvoíces destes Portugais dos pequeninos a fazer de pepinos para a salada de outros.

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

São valores... cotados na bolsa que não é TUA






Caros amigos do Tua,

Está disponível uma nova petição/manifesto em defesa da Linha e do Vale do Tua, para que todos possam manifestar o seu desagrado pela construção da barragem de Foz Tua.

Esta petição está endereçada às habituais instituições nacionais, Unesco e Parlamento Europeu:






A esta causa, juntaram-se recentemente vários artistas entre os quais se destaca o papel activo da Márcia e da Luísa Sobral que gravaram duas canções durante a sua visita ao Vale do Tua, em Dezembro passado! Ouçam e divulguem, pelo nosso Tua!


É importante a participação de todos e a divulgação da mensagem pelos vossos amigos e contactos. Esta é mais uma oportunidade e um importante contributo para a defesa da Linha e do Vale do Tua. Obrigada a TODOS!

Atentamente,

Célia Quintas 
Pela Linha do Tua

terça-feira, fevereiro 12, 2013

Ces gens la! *

Moscovo, 10 de Outubro de 1944.

Conferência no Kremlin.

"O momento era favorável para agir, e por isso declarei: 

- Solucionemos os nossos problemas nos Balcãs. Os vossos exércitos encontram-se na Roménia e na Bulgária. Nós temos interesses, missões e agentes nesses países. Evitemos, pois, entrar em choque por questões que não valem a pena. No que respeita à Grâ-Bretanha e à Rússia, que diríeis de uma predominância de 90% na Roménia para vós, de uma predominância de 90% na Grécia para nós, e da igualdade de 50-50 na Jugoslávia?

Enquanto traduziam as minhas palavras, escrevi numa meia folha de papel:


Roménia:

        Rússia..................................................................90
        Os outros.............................................................10

Grécia:

        Grâ-Bretanha 
        (de acordo com os Estados Unidos)................... 90
        Rússia..................................................................10

Jugoslávia..............................................................50-50

Hungria..................................................................50-50

Bulgária:

       Rússia...................................................................75
       Os outros..............................................................25

Empurrei o papel para a frente de Estaline, a quem já fora feita a tradução. Teve um leve tempo de espera. Depois pegou no seu lápis azul, traçou um grande risco à maneira de aprovação e devolveu-o. Tudo ficou resolvido em menos tempo do que o necessário para o escrever... Houve em seguida um longo silêncio. O papel, riscado de azul, conservava-se no centro da mesa. Eu disse, finalmente:

- Não acha um pouco cínico parecermos ter traçado a sorte de milhões de seres de uma maneira tão cavalheiresca? Rasguemos este papel.
- Não, guarde-o. - disse Estaline.



Este excerto das Memórias sobre a Segunda Guerra Mundial de Winston Churchill, citado por Mikis Theodorakis no seu Cultura e Dimensões Políticas (Ed. Europa-América, 1975, p.93-93) é eloquente sobre a gente com que temos de trabalhar.

O poder concentrado.
E as ovelhas circunscritas, leão domesticado.

Imagem daqui


É com esta gente que temos de trabalhar.
É esta gente que temos de trabalhar.

E assim se traçam os mapas e as culturas e as influências, armadas ou colonialistas, em territórios a explorar ou a manter sob jugo.

No tempo dos dois blocos, ainda podíamos tentar descortinar as diferenças que os opunham. Um desses blocos ruíu e já nada há a comparar. E o que ficou a mandar propagandeia, aos sete ventos e em tudo por quanto é ecrã e média, por si controlado, a noção - até ficarmos convencidos de que não há alternativas.

Pois bem, mas tal como está, está mal. Muita coisa.
E se o sabemos, trata-se de irmos no sentido oposto.
Tal como o faziam.



* Canção, magistral, de Jacques Brel.