terça-feira, setembro 04, 2012

imprensa do dia (16): numerologias

A Europa do Sul tem medo da crise, a do Norte teme mais a doença in Público


Prejuízos das empresas públicas quase duplicam em seis meses:

(…) Nos transportes, continua a existir um défice operacional de 103,3 milhões. Isto apesar das medidas já tomadas pelo Governo (aumentos tarifários, corte de serviços e de pessoal) para cumprir as exigências feitas pela troika: reequilibrar as contas das transportadoras públicas ainda em 2012. – in Público



É preciso medo. Tenham medo, medo do medo, como canta a Capicua. Uma sociedade balofa e vazia entretém-se nas contas, nas estatísticas, nas diferenças castiças entre regiões.


Entretanto, nos transportes, após os imperiosos aumentos e cortes, as empresas continuam a sua caminhada para a gangrena e para (adivinha-se) a privatização, ou concessão, nunca se sabe. O que se sabe é isto:

Portugueses usam cada vez menos os transportes públicos: Todos perderam passageiros: comboios, metro e barcos. Queda foi generalizada nos meios analisados pelo Instituto Nacional de Estatística. Só o aeroporto de Lisboa contrariou a tendência.


Num período de crise profunda e de dificuldades acrescidas, cada vez menos pessoas utilizam os transportes públicos, supostamente mais acessíveis. Os aumentos, obviamente, contribuíram, e muito, para o efeito, mas também o fim de alguns descontos/reduções nas tarifas, a que agora se junta o propósito de corte dos 25% de desconto para os estudantes, arrecadando-se mais uns míseros euros, como se aí estivesse a solução.

Mesmo em Braga (notícia da RUM), registou-se uma diminuição na utilização dos transportes públicos. E já se sabe, menos passageiros, menos dinheiro, igual a cortes em algumas linhas e serviços, a história da bola de neve.


Desperdiçou-se uma oportunidade de promover a utilização do transporte público, não apenas como alternativa, mas como uma opção funcional e acessível financeiramente a todos, ao mesmo tempo que se reduzia a dependência automóvel, o tráfego e respectivos efeitos ambientais, entre outros. Fez-se exactamente o contrário, conseguindo a proeza da diminuição do número de utentes, mesmo com os aumentos nos combustíveis e mesmo com o país a saque. Alguém, com toda a certeza, ganha com isso.

Sem comentários: