terça-feira, setembro 25, 2012

Artigo 37º



 
Artigo 37.º
Liberdade de expressão e informação
1. Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações.
 
2. O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.
 
3. As infracções cometidas no exercício destes direitos ficam submetidas aos princípios gerais de direito criminal ou do ilícito de mera ordenação social, sendo a sua apreciação respectivamente da competência dos tribunais judiciais ou de entidade administrativa independente, nos termos da lei.
 
4. A todas as pessoas, singulares ou colectivas, é assegurado, em condições de igualdade e eficácia, o direito de resposta e de rectificação, bem como o direito a indemnização pelos danos sofridos.
 
 
Da CRP
 
 
 
Desculpai lá as cores, alusivas a uma bandeira reduzida a trapo.
 
O direito à informação é aqui chamado por causa do vídeo acima. Ai ui, que medo, a Catalunha quer independentizar-se! Ui, que medo.
 
Se não se trata a independência de nos autonomizar-nos de quem nos quer usar, para os quais, quaisquer sejam, empresas, indivíduos, instituições ou Estados, apenas servimos para... servir.
 
As reformas, sempre para extorquir as mesmas ovelhas crentes em pastores que sempre tratam de pôr nos píncaros e nos poleiros, e depois se põem ou a tocar flauta, ou a falar / adormecer pausadamente ou a cantar canções do Paulo de Carvalho, enquanto as ovelhas tratam de ir ao futebol, para espairecer...
 
as reformas, dizíamos, não nos são ditas para que servem, em que vai ser gasto ou aplicado o dinheiro que elas vêm retirar-nos. Em nome da lei e do direito, dizem, em nome da estabilidade financeira...
 
Em nome da estabilidade financeira... de QUEM?
 
Dos pobres coitados dos bancos e demais fiduciários falsários facínoras financeiros que se esqueceram que o sistema capitalista foi criado para não ser sustentável e que o dinheiro, sempre acabando por cair nas mãos dos mesmos, acabaria por lhe pôr fim ao deixar de o terem os assim e de muitas mais formas escravos que lhes servem de sustento e alimento.
 
O direito de sermos informados não é dizerem que vamos ser... cortados.
É explicar-nos, minuciosamente, COMO vai ser aplicada a colheita desses cortes.
 
E o prejuízo que daí advém, já a perda de independência e a miséria vão no adro, será responsabilizada - quando?, não sabemos - criminalmente.
 
Não fazemos incitações ao ódio.
Mas a violência não está só em quem reage.
Cabeças rolam pelo chão.
Mas ainda não as que interessam.
As que NOS interessam.

Sem comentários: