segunda-feira, setembro 24, 2012

A própria fuga é uma prisão

"Mais nenhuma outra indústria conseguiu a proeza de tornar o seu objecto de oferta o inverso do objectivo daquele que o procura: o turismo é o reflexo fiel da sociedade de que o turista pretende evadir-se.
 
 
Para ordenar e lucrar com esse ímpeto de evasão, o turismo definiu-se como um produto empacotado de coisas e experiências a ver, que à semelhança da diversidade da realidade internáutica, não pára de aumentar. E desde a invenção do guia turístico a oferta do lazer e das férias tornou-se cada vez mais condicionada à produção em série e à lógica das massas (o que a sopinha de massas humanas das nossas praias bem o testemunha). Foi essa “turistificação” do território que remeteu, face às potencialidades ambientais únicas de Portugal, este país à condição de empregados de mesa ou à tendência geriátrica e acolhedora dos reformados da Europa do norte."


Ler artigo completo sobre o horror turístico, por Filipe Nunes


Enquanto se tratar de consumo recorrendo à forma cambial do dinheiro, do dinheiro que nada ensina, nem cria, estaremos tomados pelo negócio. Estaremos à deriva. Dano colateral do consumo sob dominação capitalista.

Sem comentários: