sexta-feira, fevereiro 25, 2011

A taxa de lucro é historicamente decrescente

Se o fundamentalismo do crescimento
que dirige actualmente o mundo continuar nesta via,
justificará um fundamentalismo naturalista
que considera a
indústria como o Mal.” *
Bernard Charbonneau


Isso cumpriu-se assim, ainda que tenha havido fenómenos que o foram ocultando ou contornando, como o processo de internacionalização do capital, o fenómeno das multinacionais e o aproveitamento do desenvolvimento desigual entre espaços sociais e económicos diversos do planeta, tudo isso abençoado pelo fenómeno recente da globalização... mas quando se estudam os dados descobre-se que a lei de ferro da tendência constante à queda da taxa de lucro funcionou inexoravelmente como tal.**


Novo paradigma económico e civilizacional.
Não o do decrescimento intencionado ou racional ou planificado (isso é que era bom: era o Homem e as sociedades humanas a assumirem o controlo...), mas, sim, obrigado pelas circunstâncias.
Sendo a mais premente a do esgotamento dos recursos naturais.


Título: Pequeno Tratado do Decrescimento Sereno
Edição Original: Petit Traité de la Décroissance Sereine (2007)
Autor: Serge Latouche
Tradução: Víctor Silva
Edição: Janeiro de 2011
Editora: Edições 70
ISBN: 978-972-44-1646-5
Paginação: 160 páginas


A ideia**, sintetizada aqui, vai a par (o que é diferente de "ir ao encontro") do recente ensaio de Serge Latouche que hoje vos trazemos e do qual reproduzimos a epígrafe* acima.

Sem comentários: