quinta-feira, fevereiro 17, 2011

100 Anos: 2 Rupturas, Um Repto

Auto-retrato (cerca de 1940)
Extraído da página sobre O Geógrafo


Galopim de Carvalho, obviamente (já lá iremos a este obviamente), não se esqueceu do mestre.

A propósito dos 100 anos do nascimento de Orlando Ribeiro (sim, 16 de Fevereiro de 1911), achámos por bem aproveitar a deixa amarga (ameixa amarga) com que ficámos depois de assistirmos ao documentário do último domingo.

Ah,
só por acaso,
(Primeira Ruptura):
Para a Geografia em Portugal existe um antes de Orlando Ribeiro e um depois de Orlando Ribeiro.


A deixa amarga (pêra agridoce) foi ouvirmos o sociólogo-fotógrafo-ex-ministro-da-agricultura(-e-da-reforma-agrária...) Álvaro Barreto dizer com muita paixão e serenidade que (mais ou menos de cor e ouvido o cito):


"«Portugal, o Mediterrâneo e O Atlântico» é um livro fascinante que nos diz muito daquilo que somos. Um dos grandes livros de literatura - científica, obviamente, mas - da literatura portuguesa. Devia ser obrigatório [exceptuando a verdade, nesta última frase a nossa memória já deve estar a enfiar-nos um barrete, sr. Barreto...] nas escolas."


É tão bom ouvirmos e sentirmos a paixão
("Como são duras as pessoas felizes", não é?)
quando não se conhece a crua e triste realidade...


Ide à procura.
Ide.
Buscai, como o pau vai atrás dum cão.
...
Depois ficamos a saber um bocadinho mais e é aqui que as coisas se tornam azedas.
O dito livro, editado originalmente em 1945, pela Coimbra Editora, teve a sua mais recente reedição em... - adivinhem lá, conquanto imaginem o que estes escassos anos significam em termos editoriais neste país... - 1998 (a sétima edição). Reeditado por uma editora, Sá da Costa, que - ao que parece - já não existe.

Título: Portugal, O Mediterrâneo e o Atlântico
Autor: Orlando Ribeiro
Edição: 1989 (4ª ed.)
Paginação: 186 pp.
Editora: Sá da Costa


Sim, obras artísticas e culturais, que enformam a história das regiões e dos povos, estão... inacessíveis às pessoas.
Mas... Sim, a verdade é que, quem quiser, por muito pouco (a ElectricidadeDestePaís bate palminhas), podemos ler este livro - gratuitamente - nesta ligação da Biblioteca Nacional (notem bem, "Cópia Pública").

Só que - não aproveitemos subterfúgios - sabemos bem...
ler um livro nas mãos continua a ser substancialmente diferente de o ler num suporte electrónico.

E não venham cá com tretas nem alijamento do dever da exigência:
O menosprezo pelo esforço e pelas expressões científicas e/ou artístico-culturais (discos e livros...) que grassa nos principais zeladores da sua autonomia (sim, o Estado, como nosso representante, pulsão e propulsionador das nossas vontades) é

- "A minha pátria é a língua Portuguesa" -

ponto de ruptura para a perda da identidade e da existência de um povo.
Quereis destruir um povo?
Começai pela sua língua.
(Esta é a SREC: Segunda Ruptura, Em Curso)

Como se pode amar alguma coisa sem a conhecer? (nem odiar nos é permitido...)
Partilhar o que é bom é um dever de todos os que têm a sorte de tomarem contacto com o bom.
São valores. Que nos fazem e aos quais devemos emprestar o nosso empenho e paixão.
A cultura, como o amor, é de enorme responsabilidade para com o outro.
Responsabilidade individual e colectiva. E uma porque a outra e vice-versa.

Galopim de Carvalho, tendo tais valores e prezando tais valores, obviamente pratica-os: exprimindo-se, lembrando-se, partilhando as suas impressões, memórias.
Com o outro: nós, que o lemos.


(O Repto)

O senhor António Barreto, que, quase de igual forma óbvia, estimamos,
gere uma equipa de fantásticos senhores cujo trabalho (que o Georden já mencionou aqui) é imprescindível para mais bem nos conhecermos enquanto pessoas, sociedade e pessoas e sociedade entre sociedades e outras pessoas,
é responsável por uma fundação que tem lançado uns ensaios (guias-de-sobrevivência: lucidez) de também imprescindível valor...

bem podia promover - defendendo publicamente - a edição - de tal interesse nacional (não é só o cimento que é de interesse nacional...) - levada a cabo pelo Ministério da Cultura - do dito livrinho.


Amigo Barreto, faça isso por nós.
Para partilharmos dessa paixão que tanta água na boca sedenta nos deixou.


Aos sedentos, felizmente, não lhes falta a sede:
partilhemos Orlando Ribeiro e muitos outros que reflectem sobre o mundo que nos rodeia e nos faz.
Somos mais nós.

5 comentários:

Anónimo disse...

Álvaro ou António Barreto?

Eduardo F. disse...

António, caro amigo.

Vamos já corrigir e obrigado pelo reparo.

:)

Saad ali disse...


One worthwhile task carried to a successful conclusion is worth half-a-hundred half-finished tasks.


Architectural Walkthrough
Architectural Visualization
Architectural Rendering
3D Animation
Product Animation
3D Modeling
Corporate Presentation
3D Images
Real Estate Publicity
Multimedia Presentation

Black Smith disse...

I recently came across your blog and have been reading along. I thought I would leave my first comment. I dont know what to say except that I have enjoyed reading. Nice blog. I will keep visiting this blog very often.
Surgical instruments
Dental Instruments
Beauty instruments
Neurosurgery Instruments
ENT instruments
Gynecology instruments
Orthopedic instruments
Ophthalmology
Hollow wear Utensils
Veterinary instruments
Surgery Sets

Rameez Raja disse...

Another great article. I like that you are very honest and direct to the point.
CCTV karachi
Security equipment
Surveillance System