sexta-feira, outubro 12, 2012

"NO MATADOURO TODOS OS CADÁVERES CHEIRAM AO MESMO!"

Este texto explica-te a crise económica.
Se quiseres ler, continua.
Se não quiseres, continua.


Um bocadinho sobre o poder militar.


O lóbi militar estadounidense está a preparar o terreno, ou seja, injectando - via média, os mesmos que eles detêm com os seus aliados - a propaganda nas fracas cabecinhas das massas, da "opinião pública" mundial, e através do envio das tropas e máquinas de extermínio para posições estratégicas de forma a que façam um ultimato, não à Síria, que não falam com estranhos, mas, sim, a Obama.
Que, se quiser vencer as eleições - que mais uma vez nos querem fazer crer ter apenas dois candidatos - terá de dizer que sim, e lá vamos nós para mais um joguinho de morrer e matar, que vamos ver pela TVWC.
Aguarda-se a contagem decrescente para a morte de ainda não sabemos quantos.
 

Um bocadinho de infotenimento económico


O FMI enganou-se nas previsões...

"Num mundo realmente invertido, o verdadeiro é um momento do falso"
Guy Debord, A Sociedade do Espectáculo


Poucas horas depois do adormecimento gaspariano da quarta-feira passada, proferido com soporíferos a enviar às massas distraídas, o senhor Mario Draghi logo veio dizer que Portugal deu um sinal positivo. Aos mercados e não sei quê.
Aguarda-se o assassinato deste e de outros salafrários açougueiros que estão, estiveram ou fingem nada ter a ver com o poderio do Goldman Sachs, o maior manipulador dos poderes do mundo. Este grupo inclui, além do Draghi, o nosso bem-dito António Borges, outro senhor que também não elegemos  na Itália Mario Monti e mais uns quantos militares económicos bem metidos nos lugares de regulação política.
 
A questão não é tanto se nos devemos ver livres destes virosos, mas sim como vamos exterminá-los.
Aceitam-se sugestões.
Ah, de mais bom grado, aceitam-se acções nesse sentido.

 
E agora um bocadinho de geografia física.
 
Os bancos são o mar.
E as lagoas que há em terra
têm rios subterrâneos,
que passam por baixo dos teus pés.
 
Somos rios a fluir, livres (ah, lá está...),
imparáveis, sem vontade,
como só aos peixes mortos
a corrente sabe levar.
 
A fome é a moeda,
a corrupção o sangue,
o banqueiro o abutre.
E a carne és tu.
 
Agora, os mercados.
 
A dívida inerente ao funcionamento do sistema monetário - do joguinho que os bancos, os produtores da moeda, criaram para ti - nunca poderá ser paga. Porque o dinheiro com que a deverás pagar não existe, nem existirá nunca. Porque por mais que eles produzam mais dinheiro - desvalorizando, portanto, o valor de cada moeda - , em simultâneo produzem mais dívida.
 
E daqui resulta todo a lógica-base da desigualdade NECESSÁRIA do sistema capitalista: a acumulação.
 
Explico, para quem ainda não tiver percebido.
 
O banco empresta o dinheiro - o dinheiro que ele produz.
Atribuiu-lhe um valor - um valor que é uma convenção. Só para isto funcionar, vá lá.
Tu és um dos 10 investidores que existem - no mercado.
Como o banco se pauta pela justiça, criou 100 moedas para distribuir equitativamente por todos (dez).
 
Empresta-te o dinheiro para tu investires no teu negócio - o negócio onde esperas fazer dinheiro.
Empresta-te o dinheiro, que é só deles - estás a jogar no inferno que eles criaram para ti.
Empresta-te 10 - que é o dinheiro que te foi concedido - e espera que tu o devolvas.
Espera que tu o devolvas - o empréstimo - com mais o que quer que seja de juro. Digamos, 10.
10 + 1, é o que tu deverás pagar.
 
Mas... repara que 10 é o que existia no começo.
 
Tu vais pra casa, consolidar a tua actividadezinha económica. Se és empresário, eles dizem que tu é que és o criador de riqueza: têm essa mentira estampada nos jornais, nos fazedores de opinião, nas televisões, no cinema, nas rádios, nas músicas e - tantos séculos no poder que surte efeito!! - entrosada na cabecinha de milhõe que, coitados, que têm olhos e foram ensinados para poderem ler as mentiras deles. Se te disserem que o trabalho é que cria a riqueza, tu NÃO ACREDITES: são envenadores do espírito!...
 
Aumentas o teu capital - para poderes pagar a tua DÍVIDA ao banco.
Sim, senhor, lá conseguiste.
 
Tu conseguiste juntar, acumular 11 moedas.
E nos outros investidores, se só existem 100, como estão os outros?
Pelo menos um deles terá menos uma moeda que tinha no início em que o dinheiro foi "emprestado".
Um desses dez investidores tem 9.
 
Ora, mas a esse investidor, não lhe foi pedido também que pagasse o juro?
 
 
Esta é a lógica.
No sistema monetário, se existe acumulação, existe perda. Noutro lado.
E porque "quem ganhou, ganhou o que alguém perdeu", haverá sempre desigualdade.
E haverá sempre quem NUNCA conseguirá pagar o juro.
Torna-se dívida.
Depois vêm os abutres penhorar-te, a ti, aos "bens" da tua empresa e até - PASME-SE! - UMA LEI QUE ELES INSTITUÍRAM PARA TU CUMPRIRES - aos teus descendentes.
Para que nunca lhes faltem escravos a seu mando.
 
O cobertor que eles nos deram para nos taparmos é sempre muito pequeno: puxas pra ti, destapas o teu companheiro de cama.
 
Por isso, esta guerra em que andamos metidos, como ministros e governos e é-fé-mis e bancos mundiais e bancos centrais e organizações mundiais do comérico e organizações internacionais do trabalho é um joguinho a que os bancos, sentados no sofá, estão a assistir, tranquilos e sem nunca serem beliscados.
E enquanto nos matamos e gastamos energias em ficções, a energia necessária para exterminar os goldmansachs deste inferno vai-se esvaindo.
 
 
Não, esta não é a única questão que importa.
Mas esta é a primeiríssima questão que importa.
 
E se a crise é financeira, então, como explicámos, todos os problemas derivam, decorrem daquela.
 
Mas...
Porque tão tapadinha com outras questiúnculas, como vai alguém ter capacidade de análise para dizer...
- EUREKA!!! Descobri a roda!!
?
(logo passaria por tolo, que é a maneira como todos os tolos se tratam entre si.)
 
E...
Como esperar acções de força de ovelhas cada vez mais chupadas e enfraquecidas?
"Quem dos ferros forjados pelas bombas constrói um povo novo?"
 
Digladiam-se umas contra as outras no ringue e o apostador olha de fora.
 
"Morde a sardinha no anzol e o tubarão segura a linha."
 
A ele nunca uma mancha de sangue da arena o salpicará.
Esse sangue é pertença exclusiva das ovelhas, defender-se-á muito politicamente correcto.
Que bom e justo que ele é!!!
 
"O que importa é saber... onde raio se oculta o poder!"
 
O mar está feito com os lagos, que são a polícia dos que vivem em terra.
 
Agora...
Agora estamos a acordar - mas sabemos porquê?
Não porque estejamos a tomar consciência dos rios subterrâneos da corrupção e do crime organizado que é o sistema monetário e o sistema de acumulação em que querem fazer-nos vergar e viver escravizados.
Não.
 
Estamos a acordar - infelizmente - porque os lagos estão a secar.
São os poderios desses filhos de pequenos deuses caseiros que nos estão a acordar.
Que nós, tão cansados de desentendimentos das coisas que nunca nos explicaram nem ensinam na escola, parece que não conseguimos acordar-nos a nós próprios.
 
E se nos acusarem de respondermos com violência, que olhem para a pergunta que nos estão a fazer. Que vejam bem o que nos estão a pedir.
 
Não queremos líderes instantâneos.
Não queremos líderes. Ponto final.
 
E se algum se erguer, cortar-lhe-emos a cabeça.
Mas até isso acontecer, há muitas para ir afiando a faca.
 
Procurem-nos nas sedes de poder.
Nas sedes do poder e nas sedes de poder.
 
Nos bancos, em primeiro lugar.
Nos governos, em segundo lugar. Os governos políticos, os administrativos e os militares. Mesmo que não façam parte dos... governos eleitos. E SOBRETUDO ESTES!
Nos média que os servem, em terceiro lugar.
Nas empresas e monopólios que "cuidam" da nossa da vidinha a cada dia que passa.
Nas religiões-instrumentos do poder escravizante.
TODAS, espirituais, económicas e políticas.
 
Em todas as "instituições" em que não foste chamado a votar e que passam a vida a justificar o sistema vigente e o funcionamento das coisas tal como... as "herdaste".
 
EM TODAS.
Se te virares contra todas, perceberás que são mais os que se te unem que os que querem que vivas separado.
Amedrontado e sem fazer nada.
 
Draghis, Borges, Prodis, Gaspares, Coelhos, Catrogas, Mellos, Espíritos-santos, Amorins, Jerónimosmartins, Mexias, almerindosmarques, relvas, Jorgescoelhos, Belmiros, Alexandressoaresdossantos, Cavacos, Portas e tantos, tantos outros acumuladores de dinheiro anonimistas-accionistas a quem os sacrifícios nunca chegam na justa e proporcional medida.
 
Estes são alguns dos pequenos deuses caseiros...
Sim.
Estes fazem parte dos pequenos deuses caseiros.
Outros habitantes que tratem de limpar os seus matadouros.
 
Tratemos dos nossos, porque - mesmo que fujam para offshores e holandas fiscais - é deles que a lâmina está sempre mais próxima.

Sem comentários: