quinta-feira, outubro 25, 2012

Coisas concretas, palavras simples: cuidado com a carteira


Agora imaginem isto, as pessoas que trabalham fazem descontos, esses descontos servem para muita coisa, vamos apenas referir duas dessas coisas: reforma e subsídio de desemprego. O (ainda) estado social tem coisas sensatas. Agora imaginem que ficando sem emprego continuam a descontar através do subsídio de desemprego, sim através do subsídio. E para quê? Mas não serão descontos sobre descontos, não seria menos intrujão baixar logo o subsídio?- perguntam bem. Pois foi o que estes senhores e senhoras que nos pastoreiam pensaram: primeiro a história dos 6%, de descontos sobre os subsídios, isto sobre trabalhadores que têm subsídio porque… fizeram descontos, como é evidente. Será? Muita gente riu, para o lado: não é possível.

Entretanto, ontem, informaram o rebanho que mesmo os subsídios mais baixos, sejam eles de desemprego ou o social, iriam encurtar em 10%. Não pode ser! Claro que não: praticamente no mesmo dia, os senhores e as senhoras que nos pastoreiam condescenderam, magnânimos, e lá informaram que se calhar não será bem assim. Claro que não será. O que será é a condescendência planeada resultar na medida inicial, os tais descontos sobre o subsídio, os tais descontos sobre descontos, mesmo nos subsídios mais baixos. É esta a gente com a qual lidamos.

Outra falácia, uma grande falácia, é a história da equidade e da justiça no novo escalonamento do IRS e respectivas contribuições. Já nem falamos da ausência a jogo do grande capital, deslocado para países com 3 meses de inverno e 9 de mau tempo, como diria o Assis Pacheco, ou deslocados para paraísos fiscais, offshores bem quentinhos, ou escondidos em SGPS, ou lá como isso se chama. Na verdade as pessoas não pagam o mesmo, nem sentem o mesmo. É diferente ganhar 600 euros, 1000 euros, 1500 euros, e por aí fora, e é diferente o impacto em distintas regiões. Sabendo que sofrimento não se mede aos palmos e que a estatística serve para moldar distribuições em médias convenientes, decidimos recorrer a quem também faz estudos e contas. Fica ao vosso critério: (basta clicar nos títulos)



Estudo e folha de cálculo retirados daqui.


[imagem perdida na rede]

Sem comentários: