segunda-feira, setembro 26, 2011

Relacionado com a cultura está. Portanto, com o (des)nível democrático

"Na União Europeia, apenas oito países (em 27) cultivam comercialmente Organismos Geneticamente Modificados. A área cultivada tem vindo a diminuir desde 2009, excepto em Espanha e em Portugal, que este ano a aumentaram consideravelmente.


Em Espanha e Portugal, o cultivo de milho Bt geneticamente modificado aumentou entre 2010 e 2011. Estes países, só por si, representam mais de 90% das culturas transgénicas da UE. Nos outros países, pelo contrário, a tendência acompanha o que prevíramos em Fevereiro de 2011: um decréscimo substancial da superfície dedicada a plantas transgénicas, seja o milho Bt Mon810 ou a batata Amflora.
Em 2011, e supondo que a superfície de milho Bt na Polónia, na República Eslovaca e na Checa não terão aumentado o ano passado, temos um total de 114 229 hectares na UE. Ou seja, um aumento relativo em relação a 2010 (82 250 hectares ou 91 099, dependendo dos números espanhóis), aumento claramente ligado a Espanha e Portugal."


A apropriação da Natureza por parte de empresas que, indo à raíz, querem fazer o seu lucrozinho astronómico, vota milhões de agricultores por todo o mundo à dependência: os OGM (organismos programados geneticamente para servir os interesses de quem os programa ou manda programar...) fazem o seu papel uma vez e já está.
As plaquinhas que vemos, ao longo da estrada, junto aos campos de milho indicam-nos quais estão tomados pela dependência: depois a semente já não serve. Nem para reproduzir dá. Consequência: toca a comprar mais.
Consequência - aqui é que está a rentabilidade - mais dinheirinho se dá aos programadores das nossas vidas.
Outras consequências advirão de recorrer a estas práticas, anti-naturais (não só não estão de acordo com o curso das leis da vida, como lhe são contrárias). Porque onde o Homem interfere e mete a pata, dá sempre asneira...
Tão maior quanto maior a pata.
Cumulativamente.


Retirado daqui.
Traduzido por Eduardo F.

Sem comentários: