segunda-feira, julho 02, 2012

"Lest the mirror stop turning"*



* verso de uma música dos King Crimson, "Cirkus"



"Lest" é uma palavrinha maravilhosa que quer dizer "para impedir que".

"Para impedir que o espelho pare de rodar", somos assediados em contínuo, como por metralhadora inesgotável, movida a dinheiro, por propagandas e ideias-feitas, inquestionáveis, inquestionadas, que nos esmagam a paz de espírito e, por conseguinte, nos anulam a capacidade de análise.

E, "não sabendo a verdade do problema colocado, não se pode aferir a estratégia a seguir."

Da mesma forma, a "inevitabilidade do capitalismo", o "fim da história", o "não há outra alternativa" (como se a que é imposta fosse UMA alternativa...).

A partir daí, acenam o futuro risonho com a destruição do presente. 
Nas suas mais variadas formas e fastios. 




Como estas:


"Teremos de fazer sacrifícios para sairmos da desastrosa situação económica em que caímos."

(mesmo que para "a operação ser um sucesso o paciente morra")


(versus)



"O terrorismo serve para a sociedade aceitar a sua própria escravatura em nome da liberdade".

(frase de um livro de Eric Fratini que ainda está por publicar)



Lede isto.


(voltaremos aqui, porque tudo isto faz parte do Portugal Provisório que vai enferrujando e calcinando a reversibilidade...)

Sem comentários: