segunda-feira, abril 09, 2012

Publicidade e controlo, um exemplo

Imagem da RTP.
Estão a ver como são os turistas os evacuados e não a Serra da Estrela? Lembram-se daquele episódio do Pesadelo em Elm Street em que o Freddie dá um beijo a uma moça e lhe suga tudo? Pois bem, evacuar é isso: criar vácuo. Evacuar turistas deve querer dizer que são feitos de dinheiro e, uma vez faltados este, não há turistas. O que até bate certo: menos turistas na Serra da Estrela, para gáudio da natureza, que bem farta deve andar destes turistas e deste turismo...

Como se denunciam... E parece que nem nos damos conta.

Notícias (o que é uma notícia?, com que valores e critérios?, como apresentá-la e transmiti-la?) dadas pela érre tê pê, que rezam assim:
1) "Serra da Estrela foi o destino menos procurado pelos portugueses nas mini-férias da Páscoa."

São as mini-férias associadas a um mini-salário associado a mini-gente.
"Ficámos tristes por não ver a neve" (diz uma turista que lá foi; a falta de neve, diz a tal cadeia de transmissão, foi um dos principais chamarizes que, pela ausência, não atraiu as pessoas...)

Água em forma sólida e a cobrir pedras toda a gente entende: é linguagem universal para olhos cansados. A serra parece que nem lá está, que fugiu e que leva com ela a paisagem, a solidão, o espaço, a abertura, o ar e o som... Porque... do que nós ficamos tristes é de não haver neve.

Olha, macambúzios ficam também os monopolistas da Turistrela, que vêem os seus bolsos serem menos enchidos...
Por falar em enchidos...
"Mesmo assim, as pessoas procuram o melhor da região" e é neste momento que a câmara capta um talho ou um local de tráfico a dar a provar uma lasquinha de presunto e uma turista a dizer umas banalidades com que nos saciamos. Como é costumeiro, aliás.

2) O Allgarve atraiu também menos turistas nestas mini-rentabilizações-do-corpo-para-ele-trabalhar-mais-e-mais-esquecido-quando-voltar-ao-lar-da-exploração.

Etc, etc... uma focagem muito limitada de um ou outro leitor na areia, talvez um miúdo a lamber um gelado de gelo e corante, um barquinho com nome engraçado para dar cor à imagem cá pra casa... blá, blá...

E desta forma, alarmados, mandam logo fazer publicidades em forma de notícia, para avisar "Ai, dinheiro (deus) nos livre desta catástrofe (redução de clientes), trazei nosso instrumento de poder (a televisão, jornais, etc...veneno alheio e que vai atacar longe) mais porcos e ovelhas (consumidores) à nossa terra (a mais linda e quente de Poortugal).

Se acontece algo de errado, eles logo no-lo fazem saber. Que é para corrigirmos o erro, ok?

- Não há dinheiro... - diz o portuga mais empedernido.

- As coisas não são assim tão lineares...- de chofre lhe respondem os israelitas do lado de lá do muro das lamentações...

Sem comentários: