terça-feira, abril 10, 2012

Adriano


E Alegre se fez Triste
Poema de Manuel Alegre
Orquestração de José Calvário
Música de José Niza


Adriano, que guiavas o leme dourado,
longe da cidade das cobras que trepam o arvoredo
onde a fome escondida e o lixo não condizem
com os engravatados de secretária e pilim.

Guitarra agrilhoada rompida pela amargura
pela raiva e a ternura em luta contra a distância,
a emigração, a exploração do homem feito lobo,
afastadora dos iguais e o enfraquecimento.

Cantador do medo, da secura, da procura, da paixão,
o roubo, a pobreza dos corpos e almas...
porque por toda a parte vias tudo
em corrupção sobre a terra a esterilizar-se.


Altaïr, 10.04.2012

Acaba de sair o livro da autoria de Mário Correia "Adriano - Trovador da Liberdade", apresentado ontem, dia 9, no Porto.
70 anos de contra-tendência deste tempo e desta terra cada vez mais pequenina e mirradinha...

Saibam mais aqui, aqui e aqui e por mais cantos de quem o quiser continuar a cantar...

Sem comentários: