sábado, julho 02, 2011

PPP? PQP!!!


"A EDP quer garantir o máximo de incorporação de mão de obra local nas obras de Foz Tua, estando já a desenvolver planos com o consórcio construtor Mota-Engil/Somague/MSF, a Direção Norte do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e o Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil Norte."

Via EDP (imagem e excerto)


Blá blá blá...
Querem envolver as pessoas locais no projecto?
Gostam muito de criar postos de trabalho, não é?

Adoram é comprar os locais para que aceitem roubar-lhes o pouco que lhes resta.
Adoram é passar os bens que são de todos para as mãos de alguns.


É urgente rever as concessões e parcerias público privadas, tal como exige a `troika´ e como anunciado pelo novo Governo, sendo as barragens a 3ª Parceria Público Privada (PPP) mais cara para o país. E estimado que o custo total das novas barragens (durante a vida da concessão) seria cerca de 15 000 milhões Euros = 4600 € por família [1].

O que ganha um país quando destrói uma linha-férrea centenária que atravessa toda a região uma região interior que não tem outra alternativa que não uma futura auto-estrada com portagens?

A Linha do Tua percorre Trás-os-Montes, lado a lado com um dos últimos rios livres de Portugal, serve as gentes locais, transporta milhares de turistas de todos os cantos do mundo e, com a sua ligação a Puebla de Sanabria e à Alta velocidade Espanhola, poderia trazer a casa, pelo Verão e pelo Natal, milhares de emigrantes transmontanos.

O que ganha um país quando destrói um vale milenar único como o vale do Tua, para aumentar a sua produção energética em algo tão insignificante como 0,7% [2]?

Os impactos da construção desta barragem são irreversíveis e hipotecam para sempre o futuro de Trás-os-Montes. É urgente um novo olhar para Trás-os-Montes e para o desenvolvimento transmontano, em particular, para o Vale do Tua.


Comunicado da Quercus (excerto) pela revisão das Parcerias Público-Privadas (parecem-me depravadamente bem mais privadas que públicas...) no que diz respeito à construção de paredões, produção de energia, projectos e a delapidação da paisagem...


Soa a muitos pês?
Soa a pês a mais para a nossa vidinha cheia de ésses e dês?

Olhem,


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo… e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

José Saramago – Cadernos de Lanzarote - Diário III – pag. 148

Sem comentários: