segunda-feira, agosto 02, 2010

Fazer para desfazer

Cinco investigadores da Universidade do Minho (UM), em Braga, criaram um reactor “único a nível mundial”, que permite o tratamento de águas residuais com elevado teor de gordura.
Notícia via CiênciaHoje


Esta importante notícia parece o processo de produção de energia através do hidrogénio, (de que já viemos aqui falar um dia...):

O absurdo de andar a contaminar,
sabe-se lá em quão poucos segundos,
a água,
a água que queremos potável,
a água de que os seres vivos dependem para viver,
para depois estudiosos investirem mundos e fundos
e,
num árduo e moroso esforço
(económico, energético, material e humano),
andarem a descontaminá-la....


Já vos indagastes sobre este absurdo?


E quem diz gordura diz outras porcarias que lançamos à água,
todos contentinhos,
ignaros do beco,
vulgo insustentável,
isto é, sem tempo de renovação,
(com tempo, sim, mas desfasado das nossas necessidades)...


E soluções assim,
mitigações assim,
- palmas! Claro que é de louvar! -
não servirão para nos desculpar
o erro que vamos continuar
- agora, talvez mais tranquilos -
a cometer?

(porque as estruturas,
materiais e mentais...
as estruturas persistem...)

Como dizia um avô meu:
- Ah!, não me preocupo com o colesterol
porque tomo o comprimido...!


Bonito!
Inteligência tacanha,
ciência estranha...
(- Vamos viver pra Espanha?)

Sem comentários: