segunda-feira, março 09, 2009

Tasca Moca, meu?

Vidal: algures por Coruche, 06-03-09

1 comentário:

Eduardo F. disse...

Apesar da população envelhecida, reduzida, emigrada (para as grandes cidades, ou mesmo para o estrangeiro), o fraco tecido económico da região nada tem que ver com a criatividade desta gente!

Até podemos dizer, estereotipadamente, que tempo não lhes falta...

Como diz Orlando Ribeiro, "viajando muito, notando particularidades locais e comparando analogias distantes, ganhando o treino de observar rapidamente e o golpe de vista que permite, ao primeiro contacto, notar o que há de típico nos lugares e nos modos de vida humanos".

Os habituais senhores, sentados às portas dos cafés, imagem muito frequente para o viajante pelas terras abaixo do Tejo, podem constituir um desses traços característicos de uma região, de um conjunto de população.

Não nos esqueçamos que é nas tascas, nas vendas, nos cafés que muito se confraterniza, se dialoga, discute e onde muitas ideias criadoras se gera(ra)m.

E talvez, não propriamente a expressão que dá nome a esta tasca. Mas também o que ela significa pode dar-nos uma pista do tempo que estas gentes (sobretudo os homens, é sabido, mesmo após a chegada da suposta igualdade legal dos géneros...) passam nestes espaços.

Bem, afinal uma imagem destas até acaba por ser mais geográfica que o que à primeira vista se mostrava, não é verdade?