domingo, outubro 31, 2010

A sociologia como crua (e o sal como ferida)




1

Nós também queremos viver...!

Num dia da semana, por volta das 17h, é vê-los:
Estacionados em cima do passeio
(põem os quatro piscas).
Põem os quatro piscas,
porque estacionam em cima do passeio
(são bem educados).

Um BMW, um Audi, um jipe Nissan
(um jipe. Com pneus sem lama nem terra).


Obrigam-nos a parar.
Obrigam-nos a penar
e a pagar o que já não temos,
anjos de pureza.

Fazem de nós espectadores, amestrados.

E os lucros astronómicos da banca
são o fracasso que nos obrigam a comer.

Que podemos nós fazer?

Tirem-nos tudo.
Somos os impotentes.

Mas ainda podemos matar.


2

Nós já declarámos guerras...

E não teria havido
a cena do ódio
sem o FMI.
(E não teria havido FMI
sem A Cena do Ódio.)

Odeio-te, capitalismo bem educado!
Dóis-me, trabalhador precário,
operário sem saída.

Tu, que dormes mal de noite
(Como é que se pode ter calma?...)

Odeio esta guerra que nos separa!

As maiores perdas,
as perdas dolorosas,
que nos levam tudo.

Odeio-te, capitalismo.
Tenho-te raiva!
Odeio-te para sempre!!!!!!!!!!

Leva tudo.
Não ponhas os quatro piscas.
Leva tudo!


Somos os impotentes.

Mas ainda podemos morrer.

Sem comentários: