quinta-feira, janeiro 26, 2012

"O Urbanismo Depois da Crise", de Alain Bourdin


Título: “O urbanismo depois da crise”
Autor: Alain Bourdin
Tradução: Margarida Souza Lôbo
Edição: Livros Horizonte (2011)

«Este urbanismo liberal não é monolítico e aceita grandes variações; existem mesmo versões “de direita” e versões de “esquerda” (ou seja, “dirigistas”). Isto não impede que se apoie num conjunto de constantes. Privilegia a concorrência, com tudo o que ela arrasta de efeito de imagem e de benchmarking, o desenvolvimento das actividades de serviços, a finança (para aqueles que podem atraí-la), a economia criativa e o consumo como um modo de vida das camadas médias diplomadas.
Se não impede o desenvolvimento periférico e remete para o automóvel um papel privilegiado, este urbanismo liberal focaliza-se nos espaços centrais: os das cidades históricas e as áreas centrais de negócio ou as que foram abandonadas pelas indústrias e pelas actividades portuárias tradicionais. O urbanismo liberal concede uma nova importâncias aos transportes colectivos e privilegia a realização de grandes eventos, em particular os de nível internacional (Jogos Olímpicos, grandes campeonatos, reuniões do G7 – até ao momento em que correm muito mal -, grandes exposições, rótulos temporários como “capital europeia da cultura”, etc). A cultura e os seus lugares ocupam um espaço cada vez maior.
Este urbanismo prefere as grandes intervenções urbanas, faz do arranjo do espaço público um desafio, mobiliza as vedetas da arquitectura através de concurso internacionais e concede um lugar importante aos operadores privados. Este modelo não implica qualquer pensamento social, salvo uma resposta à procura de duas categorias-chave: os grandes consumidores e a agregação de indivíduos que constitui a “classe média diplomada”. A emigração, a diversidade cultural e a pobreza são fruto de políticas destinadas a recuperar ou a incluir, e a sua tradução em termos de ordenamento urbano não é mais do que um problema que é preciso resolver».

(pp. 15-16)

1 comentário:

Anónimo disse...

Nasceu um novo blogue em Faro. Vai dar que falar.

faroactivo.blogspot.com